Segundo filho: ter ou não ter? Eis a questão!

O primeiro filho nasce e é o caos! Perde-se liberdade, noites de sono, tempo com o marido, encontros com as amigas e por aí vai. O tempo passa e algumas coisas são parcialmente recuperadas: comer uma refeição ainda quente, um cinema com o marido e algumas noites de sono completas. 😅 Ganha-se sorrisos sinceros, carinho gratuito, coração transbordando de amor! E aí? Ter ou não ter um segundo filho? Começar tudo de novo?!? Disponibilidade total para amamentar, pausa na carreira, sanfona do corpo 😰?

As pessoas estão cobrando, o filho pede um irmãozinho e você? 

Ter filho não é nada fácil e a experiência de cada um é única. Normalmente ter um segundo filho é mais fácil do que o primeiro afinal, a vida já mudou mesmo… mas para algumas pessoas, o segundo pesa mais. 

Será que você deveria “dar esse presente pro irmãozinho (a)?” Será que deveria tentar uma menino (a) dessa vez?? 

O que posso dizer é que você não “TEM QUE” nada. Ter um filho é uma decisão do casal. Se mais alguém se beneficiar, excelente! Mas nunca coloque essa decisão nos ombros de uma criança!

A experiência de ter irmãos ensina coisas que não se aprende em nenhuma outra relação, mas ter irmãos não é sinônimo de felicidade. É a oportunidade de uma parceria incrível (que pode ser construída ou não) e do alívio de várias cargas (de expectativas dos pais, de cuidar deles quando mais velhos, etc). 

A idéia de que a criança perderá muito com a chegada de mais um, não é real. “Perder” a exclusividade é enriquecedor para aprender a conviver em sociedade!

Com relação ao sexo, ter mais de um filho é sempre uma experiência diferente independente de ser menino ou menina. 

Enfim, tenha outro filho se tiver vontade! A parte cansativa passa, a realidade se ajusta e todos acabam celebrando! 😉